Boneca Russa

Russian Doll Netflix
Fonte: IndieWire

A série do momento, Boneca Russa, conta a história de uma jovem – Nadia – que ao ser convidada para uma festa em Nova York termina morta. E não para por aí: ela se dá conta que toda vez que decide sair da festa, ela acaba morrendo, então, ela tem que encontrar um jeito de escapar com vida, mas só depois de entender o que está acontecendo.

Entre os atores e atrizes, destacamos Natasha Lyonne (sim, aquela atriz magnífica de Orange is the New Black) que está assumindo o seu primeiro papel como protagonista no Boneca Russa. A série foi criada por ela mesmo, Amy Poehler e Leslye Headland. A Netflix ainda não confirmou a produção de uma segunda temporada, mas todos acreditam que o sucesso desta primeira temporada será um grande impulso.

Neste artigo, vamos ver as 10 canções que tocaram nesta série e que com certeza emocionaram muita gente.

1.  Morning After (Ariel Pink & Weyes Blood)

A colaboração de 2017 entre Ariel Pink e Natalie Mering se encaixou direitinho com o episódio, pois ele tecnicamente ocorre na manhã após a primeira experiência mortal de Nadia. A faixa também é perfeita para as projeções artísticas de Maxine.

A frase “Morrer é fácil. É viver que é difícil” não parece uma frase de efeito do jogo de Roleta russa? Mas não é, é dessa maravilhosa série da Netflix.

2. Don’t Put Off ‘Til Tomorrow (Pony Sherrell)

O episódio começa com esta faixa deste álbum esquecido de 1956, Jungle, Ungle, Um, Bai!, que foi relançado no ano passado. A música também serve como um bom conselho para Nadia enquanto ela se prepara para enfrentar outro dia em que ela pode morrer (ou não).

3. The Migas 2000 (The Limiñanas)

Em vez de lutar contra toda essa batalha mortal, Nadia decide aproveitar a vida, quando um casal francês aparece e as coisas ficam malucas. Esta canção é sobre a receita de Migas da avó do compositor, um prato espanhol feito com sobras de pão, e que aparentemente não é para os fracos.

4. Caldera, Caldera! (Gemma Ray)

O pop-noir de Gemma Ray ajuda a definir o tom da crise misteriosa de Nadia. É uma boa faixa para a sua caminhada embriagada no parque, onde ela encontra um homem sem sapatos que quer cortar o seu cabelo.

5. MindKilla (The Gang Gang Dance)

Após se surpreender com a realização de que ela não é a única a continuar morrendo, o uivo selvagem da cantora Lizzi Bougatso abre o caminho para Nadia neste episódio.

6. Piano Concerto No. 4 In G Major, Op. 58: III. Rondo: Vivace (Beethoven)

Em vez de Harry Nilson, o gêmeo da morte de Nadia, Alan, acorda com esse clássico e suas afirmações para o sucesso.

7. Black Water (Timber Timbre)

Depois que um ar condicionado caiu sobre as cabeças de Nadia e Alan, a tela fica preta e o verso “Tudo que eu preciso é de luz solar” de Timber Timbre dá as boas-vindas aos créditos finais e à realidade.

8. La plus belle chanson (Jacqueline Taieb)

Se é verdade ou mentira que esta faixa é a “canção bonita do mundo” (título da canção em português), talvez nunca saberemos. Mas a estrela pop francesa dos anos 60 cantou durante o primeiro (e possivelmente último) encontro sexual entre Nadia e Alan.

9. Your Know What I Mean (Cults)

Após lembrar a sua primeira morte, essa faixa de 2011 do Cults que fala sobre a necessidade de ser salvo é que chama os créditos finais deste episódio.

10. The Promise (When In Rome)

Na cena de abertura do penúltimo episódio, vemos a jovem Nadia e sua mãe (Chloe Sevigny) ao som de 1978 de When In Rome. Este trio musical inglês é perfeito para este momento cheio de emoções e recordações.